Quem sou eu

Minha foto
Serrinha, Bahia, Brazil
Como é BOM receber sua visita em nosso cantinho virtual! Emerson Nogueira Vila Nova, fundador do Centro de Terapias Complementares - HARMONIZE, é Fisioterapeuta (Ucsal), Hipnoterapeuta, Pós Graduado em Terapia Regressiva, Pos Graduado em Acupuntura, Reikiano, Terapeuta Floral, Palestrante e acima de tudo, um grande admirador das potencialidades ineretes ao ser humano. Talvez seja por isso que aqui no HARMONIZE nosso maior tesouro é te ver sorrir, sentir-se bem, em busca de conquistas cada vez mais especiais, e dividir contigo todo o nosso carinho, respeito e motivação para seguir sempre adiante. Será uma IMENSA alegria para nós estarmos sempre ao teu lado compartilhando de cada uma dessas emoções especiais, pois esse é o verdadeiro sentido de nossa existência...aproveite cada momento e HARMONIZE SUA VIDA.

terça-feira, 29 de abril de 2014

Luz do Sol - Benefícios


     Tomando uma caminhada de 10 a 15 minutos diários ao sol não só limpa a cabeça, alivia o stress e aumenta a circulação - também pode cortar seu risco de câncer de mama pela metade.  Pelo menos é isso que Esther John, epidemiologista do Norte da Califórnia Cancer Center, recomenda.  E há abundância de provas para apoiá-la.  Um estudo descobriu que a exposição solar reduziu o risco de câncer de mama em 30 a 40 por cento
Como isso funciona?  Existe de fato uma resposta científica.  O sol estimula a produção de um hormônio na sua pele .  Os raios ultravioleta B, o tipo de raios que lhe dão queimaduras solares, interagir com um especial de colesterol na pele desbloqueado.  Uma vez estimulado, esse colesterol triggers seu fígado e rins para tornar a vitamina D3 .  A vitamina D3 não é exatamente uma vitamina, mas sim um tipo de hormônio esteróide que pode melhorar drasticamente a sua função do sistema imunológico .
    A vitamina D3 também controla o crescimento celular e ajuda a absorver o cálcio a partir do seu trato digestivo .  Mais importante, esse hormônio vitamina / inibe o crescimento de células cancerosas .  Em testes de laboratório realizados em animais , a vitamina D3 inibiu o crescimento de maligno melanoma , câncer de mama, leucemia e tumores mamários.  A vitamina D3 também abrandou a angiogênese, o que ajuda o crescimento das células cancerosas.
     Vitamina D3 pára-câncer auxiliando os vasos sanguíneos de ser formada, restringindo a
capacidade do tumor a se espalhar e prejudicar outras funções no corpo .  Donald R. Yance Jr. escreve que a vitamina D3 pode também inibir a atividade de hormônios como o estrogênio no câncer de mama, diminuindo assim a sua
propagação.
     Uma vez que altas doses de vitamina D3 são tóxicos, os cientistas formularam derivados da vitamina D que pode ser administrado ao câncer de mama pacientes .  Em testes, estes derivados pararam a proliferação de células de câncer de mama e, por vezes, na verdade diminuiu o tamanho das experimental mamárias tumores .
Há uma preocupação relevante para esta questão.  Não temos dito nos últimos 10 anos para ficar longe do sol?  E sobre o câncer de pele ?  Dr. Richard Hobday, autor de The Sun Healing, diz o nosso medo do sol faz mais mal do que bem. 
    Infelizmente recomendados filtros solares diariamente que bloqueiam os raios ultravioleta B, os mesmos raios que provocam a produção de vitamina D. O número de pessoas que morrem de câncer de mama, câncer de cólon, câncer de próstata , câncer de ovário, doença cardíaca, esclerose múltipla e osteoporose - todos os males que a luz solar poderia se beneficiar - é muito maior do que o número de mortes por câncer de pele. 
Depois de analisar 50 anos de literatura médica sobre o câncer, Dr. Gordon Ainsleigh concluiu que os benefícios da exposição solar regular superam os riscos de células escamosas basais câncer de pele, envelhecimento acelerado e melanoma.
Mito: A luz do sol causa câncer
 Verdade: A luz do sol gera vitamina D na pele, que impede que 78% de todos os cânceres.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Quantos remédios você toma?


Na tentativa de eliminar apenas os sintomas e deixando de lado a causa real do problema, perceba COMO A MEDICINA DA DOENÇA FUNCIONA

   Aos 30 anos, você tem uma depressãozinha, uma tristeza meio persistente: prescreve-se FLUOXETINA.
A Fluoxetina dificulta seu sono. Então, prescreve-se CLONAZEPAM, o Rivotril da vida. O Clonazepam o deixa meio bobo ao acordar e reduz sua memória. Volta ao doutor.Ele nota que você aumentou de peso. Aí, prescreve SIBUTRAMINA.
    A Sibutramina o faz perder uns quilinhos, mas lhe dá uma taquicardia incômoda. Novo retorno ao doutor. Além da taquicardia, ele nota que você, além da “batedeira” no coração, também está com a pressão alta.Então, prescreve-lhe LOSARTANA e ATENOLOL, este último para reduzir sua taquicardia.Você já está com 35 anos e toma: Fluoxetina, Clonazepam, Sibutramina, Losartana e Atenolol. E, aparentemente adequado, um “polivitamínicos” é prescrito. Como o doutor não entende nada de vitaminas e minerais, manda que você compre um “Polivitamínico de A a Z” da vida, que pra muito pouca coisa serve. Mas, na mídia, Luciano Huck disse que esse é ótimo. Você acreditou, e comprou. Lamento!
    Já se vão R$ 350,00 por mês. Pode pesar no orçamento. O dinheiro a ser gasto em investimentos e lazer, escorre para o ralo da indústria farmacêutica. Você começa a ficar nervoso, preocupado e ansioso (apesar da Fluoxetina e do Clonazepam), pois as contas não batem no fim do mês. Começa a sentir dor de estômago e azia. Seu intestino fica “preso”. Vai a outro doutor. Prescrição: OMEPRAZOL + DOMPERIDONA + LAXANTE “NATURAL”.
    Os sintomas somem, mas só os sintomas, apesar da “escangalhação” que virou sua flora intestinal. Outras queixas aparecem. Dentre elas, uma é particularmente perturbadora: aos 37 anos, apenas, você não tem mais potência sexual. Além de estar “brochando” com frequência, tem pouquíssimo esperma e a libido está embaixo dos pés.
   Para o doutor da medicina da doença, isso não é problema. Até manda você escolher o remédio: SILDANAFIL, TADALAFIL, LODENAFIL ou VARDENAFIL, escolha por pim-pam-pum. Sua potência melhora, mas, como consequência, esses remédios dão uma tremenda dor de cabeça, palpitação, vermelhidão e coriza. Não há problema, o doutor aumenta a dose do ATENOLOL e passa uma NEOSALDINA para você tomar antes do sexo. Se precisar, instila um “remedinho” para seu corrimento nasal, que sobrecarrega seu coração.
    Quando tudo parecia solucionado, aos 40 anos, você percebe que seus dentes estão apodrecendo e caindo. (entre nós, é o antidepressivo). Tome grana pra gastar com o dentista. Nessa mesma época, outra constatação: sua memória está falhando bem mais que o habitual. Mais uma vez, para seu doutor, isso não é problema: GINKGO BILOBA é prescrito.
    Nos exames de rotina, sua glicose está em 110 e seu colesterol em 220. Nas costas da folha de receituário, o doutor prescreve METFORMINA + SINVASTATINA. “É para evitar Diabetes e Infarto”, diz o cuidador de sua saúde(?!).
    Aos 40 e poucos anos, você já toma: FLUOXETINA, CLONAZEPAM, LOSARTANA, ATENOLOL, POLIVITAMÍNICO de A a Z, OMEPRAZOL, DOMPERIDONA, LAXANTE “NATURAL”, SILDENAFIL, VARDENAFIL, LODENAFIL ou TADALAFIL, NEOSALDINA (ou “Neusa”, como chamam), GINKGO BILOBA, METFORMINA e SINVASTATINA (convenhamos, isso está muito longe de ser saudável!). Mil reais por mês! E sem saúde!!!
    Entretanto, você ainda continua deprimido, cansado e engordando. O doutor, de novo. Troca a Fluoxetina por DULOXETINA, um antidepressivo “mais moderno”. Após dois meses você se sente melhor (ou um pouco “menos ruim”). Porém, outro contratempo surge: o novo antidepressivo o faz urinar demoradamente e com jato fraco. Passa a ser necessário levantar duas vezes à noite para mijar. Lá se foi seu sono, seu descanso extremamente necessário para sua saúde. Mas isso é fácil para seu doutor: ele prescreve TANSULOSINA, para ajudar na micção, o ato de urinar. Você melhora, realmente, contudo... não ejacula mais. Não sai nada!Vou parar por aqui. É deprimente. Isso não é medicina. Isso não é saúde.
    Essa história termina com uma situação cada vez mais comum: a DERROCADA EM BLOCO da sua saúde. Você está obeso, sem disposição, com sofrível ereção e memória e concentração deficientes. Diabético, hipertenso e com suspeita de câncer. Dentes: nem vou falar. O peso elevado arrebentou seu joelho (um doutor cogitou até colocar uma prótese). Surge na sua cabeça a ideia maluca de procurar um CIRURGIÃO BARIÁTRICO, para “reduzir seu estômago” e um PSICOTERAPEUTA para cuidar de seu juízo destrambelhado é aconselhado.
   Sem grana, triste, ansioso, deprimido, pensando em dar fim à sua minguada vida e... DOENTE, muito doente! Apesar dos “remédios” (ou por causa deles!!).
A indústria farmacêutica? “Vai bem, obrigado!”, mais ainda com sua valiosa contribuição por anos ou décadas. E o seu doutor? “Bem, obrigado!”, graças à sua doença (ou à doença plantada passo-a-passo em sua vida).
Fonte: Carlos Bayma Med

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Judas socorrido por Jesus



    O texto Evangélico relata que Jesus apareceu materializado a MariaMadalena, após o terceiro dia de sua morte. O diálogo estabelecido entre Ele e Madalena neste acontecimento, está narrado em forma de poema pelo Espírito Maria Dolores, através da psicografia de Francisco Cândido Xavier, sob o título Amor e Perdão do livro Coração e Vida. O final desse diálogo apresentado a seguir, revela o imenso amor de Jesus, que após a sua morte, vai ao encontro de Judas, que se enforcou, ao constatar que o Mestre fora crucificado por culpa de sua insensata ambição política.

    “ Senhor, onde estivestes? Mas Jesus Respondeu: Não Maria, não fui ainda ao alto. Nem me elevei sequer um palmo a luz do firmamento.Quem ama não consegue achar o céu de um salto. Ao invés de subir aos altos esplendores, desci, mas desci muito aos reinos inferiores.Despertando no túmulo escutei os gritos de aflição de alguém que muito amei, e que muito amo ainda.Embora visse além a luz sempre mais linda, sentia nesse alguém um amado companheiro, em crises de tristeza e de loucura.

   Fui à sombra abismal para a grande procura.E ao reencontra-lo, amargurado e louco, a ponto de não mais me conhecer, demorei-me a afaga-lo, e pouco a pouco, consegui que ele enfim, pudesse adormecer.
Senhor? Interrogou Madalena. Quem é o amigo que te fez descer antes de procurar a Luz do Pai?

   Mas Jesus replicou em voz clara e serena: Maria, um amigo não esquece a dor de outro amigo que cai. Antes de me altear a celeste alegria, ao sol do mesmo amor a Deus em que te enlevas. vali-me após a cruz, das grandes horas mudas, e desci para as trevas, a fim de aliviar a imensa dor de Judas”.Maria Dolores

   Essa revelação, via mediúnica, esclarecendo onde esteve o Cristo nostrês dias após de sua morte, fato não registrado no Novo Testamento, demonstra sobretudo, a extensão da infinita misericórdia de Jesus para com todos os sofredores

 

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Feliz Páscoa!!!

Um excelente feriado para todos. Retornaremos normalmente nossas atividades na Terça-feira (22/04). Um abraço de toda equipe do HARMONIZE. 

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Quando a boca cala...o Corpo fala!



Quando a boca cala...o Corpo fala!
    Um estudo recente mostra como o nosso corpo responde quando experimentamos alguns sentimentos. Em amarelo estão as regiões do corpo com maior atividade. É impressionante como a "felicidade" e o "amor" nos afeta de uma forma tão plena.
    Não precisa ser mestre para saber que o Amor é uma das forças mais poderosas que existem neste mundo, gráficos como estes mostram o quanto é importante investir em posturas positivas que melhorem nosso padrão vibratório. Como diria Buda...A lei da mente é implacável. O que você pensa, você cria. O que você sente, você ATRAI. O que você acredita, Torna-se realidade.

Portanto, invista na sua felicidade!
Compartilhe o Amor.


Fonte: occupycorporatism.com
via sitsshow.com

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Refletindo sobre as músicas de Raul Seixas


     De uma maneira bem descontraída e irreverente, Laércio Fonseca nos conta o significado por de trás de cada bela música composta pelo grande Raul Seixas. Vale a pena conferir na íntegra esse vídeo. Tenho certeza que ao ouvir novamente as música de Raul ela lhe tocará ainda mais profundamente.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Regressão de Memória - Terapia de Vidas Passadas

    Você teria sido um camponês espanhol do século 17? Ou será que viveu na itália durante a idade média? Quem sabe trabalhou em uma fábrica inglesa no século 19? Quantas vidas será que já teve? Quantas lembranças você pode recordar? Essas e muitas outras possibilidades podem ser possíveis de saber por meio da REGRESSÂO DE MEMÓRIA. Você já experimentou?

     A Regressão de Memória é uma abordagem terapêutica que auxilia na identificação da raiz do problema que aflige atualmente um indivíduo, dando a este uma maior oportunidade de auto-cura e conhecer melhor a si próprio. Agende sua consulta.
                                                             (75) 3261-3938 / 9146-6737

sábado, 5 de abril de 2014

Teste de Personalidade - Asanas - Yoga


Asanas são as diversas posturas utilizadas durante a prática do Yoga.


1 - ADHO MUKHA VRIKSHASANA (postura da árvore olhando pra baixo)
Persistência e Equanimidade

Certamente você é alguém que não desanima diante das dificuldades. Tem consciência de que tanto as coisas boas quanto as ruins fazem parte da vida, e que não é fácil fazer grandes conquistas. Por isso, você é dono de de uma tremenda força interior e vontade de vencer. Desistir é uma palavra que simplesmente não consta no seu dicionário.

2 - SIMHASANA (postura do leão)
Expansividade e Veracidade

Alegre, comunicativo e sincero, você sabe dizer claramente o que quer e o que pensa, e por isso faz amigos com facilidade. É uma pessoa muito querida por todos. É conhecido também por ser muito confiável, pois a busca pela verdade sempre será seu maior objetivo, e isso se expressa em tudo o que você faz.

3 - VIRABHADRASANA II (postura do guerreiro II)
Coragem e Aterramento

Você é muito determinado. Não tem medo das batalhas da vida, sejam elas quais forem. Encara todas de frente, com braços fortes e peito aberto. Sabe que o segredo da vitória é a expansão da consciência, sempre buscando enxergar além do que se vê. Seu lema é: "expandir o olhar mantendo os pés firmes no chão."

4 - ARDHA CHANDRASANA (postura da meia lua)
Equilíbrio e Concentração

Foco é a sua palavra de ordem. Dono de uma capacidade de equilíbrio surpreendente, a sua facilidade para resolver situações difíceis sem perder o centro sempre surpreende a todos. Parece que nada pode abalar a sua paz, mas você sabe bem que não é nada fácil agir assim. Mas, ao mesmo tempo que sabe que não é fácil, sabe também que com esforço e dedicação tudo é possível.

5 - UTTANASSANA (postura da intensa flexão à frente)
Humildade e Compaixão

Para você, servir é a coisa mais importante dessa vida. Mas não servir de forma submissa, e sim com muita energia de entrega. Você sabe que cada um tem um papel nesse mundo, e prefere unir forças do que competir, pois acredita que juntos são mais fortes. Você se considera feliz, mas não consegue ficar impassível diante do sofrimento do outro. Felizmente, isso não é um defeito, e sim a sua maior ferramenta para mudar o mundo.

6 - SUKHASANA (postura fácil)
Paciência e Retidão

Disciplinado, você ouve mais do que fala. Quando entra em um caminho, segue-o fielmente, e, mesmo que aconteçam pequenos desvios, você sempre se mantém fiel a uma verdade maior do que você. Se destaca por ser uma daquelas pessoas que tudo o que faz, faz bem feito, graças ao seu comprometimento com o lema: "não importa o que seja, farei sempre o meu melhor, da melhor maneira possível."

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Psicografia - Pesquisa Científica

Pesquisa sobre psicografia pode ajudar a desvendar mediunidade 
 Fonte: jornalopcao.com  e g1.globo.com

Médico goiano integrou equipe de cientistas que analisou o cérebro de médiuns em processo de transe. Resultados inéditos colaboram para romper paradigmas científicos 
 
Fernando Leite/Jornal Opção
Leonardo Caixeta, doutor em Neurologia: “Nós não podemos negar um fenômeno que existe, que está a olhos vistos, que qualquer cientista honesto tem de reconhecer: nós somos seres espirituais”
 
Thiago Burigato
      Poucas vezes a fronteira entre a fé e a ciência costuma ser testada por pesquisadores. Muitas vezes, o preconceito e o temor de críticas por parte de seus pares impedem cientistas de ir fundo em questões que poderiam levar o conhecimento humano a compreensões que a razão pura e o senso comum não conseguiriam vislumbrar. No entanto, vez ou outra um grupo de estudiosos resolve romper as amarras pré-estabelecidas, pesquisar o que poucos consideraram antes e chegar a conclusões surpreendentes, que prometem romper paradigmas e abrir portas para novas possibilidades.

      Leonardo Caixeta, doutor em Neurologia pela Universidade de São Paulo (USP) e professor da Universidade Federal de Goiás (UFG), é um dos que se se dispõem a averiguar o que outros não se atreveriam. Juntamente com outros três cientistas brasileiros e um estadunidense, ele iniciou em 2008 um estudo que buscava aferir o que acontece na cabeça de um médium no momento do suposto contato com o sobrenatural. Pu­blicada em novembro deste ano, a pesquisa recebeu o reconhecimento da comunidade científica internacional e tem suscitado debates sobre os novos rumos dos estudos científicos — cada vez mais receptivos ao espiritual, mas ainda entremeados de preconceitos.

      Caixeta relata que a ideia da pesquisa veio exatamente por conta de os membros do grupo se sentirem incomodados com o predomínio do paradigma materialista, o que, segundo ele, limita a ciência, impossibilitando que novos ramos sejam explorados e novas descobertas sejam feitas. “É importante que a ciência se dedique mais a isso (a explorar novas áreas), porque ela não pode ser parcial. A ciência não pode estudar só um campo e deixar outro de lado, porque ela não tem preconceito”, afirma. “A ciência talvez seja a coisa mais democrática que o ser humano tenha criado até hoje, porque ela não tem dogmas. Ciência é o método científico. Se você conseguir comprovar o que está falando usando métodos, eu sou todo ouvidos para lhe escutar.”

      Há quatro anos, Caixeta e professores da Universidade de São Paulo e da Universidade Federal de Juiz de Fora — Julio Peres, Alexander Moreira-Almeida e Frederico Leão — decidiram estudar os limites entre as experiências materiais e as experiências extracorpóreas usando metodologias científicas. Para este fim, o grupo entrou em contato com Andrew Newberg, renomado neurocientista estadunidense que já participou de estudos referentes a possessões demoníacas e realizou estudos sobre o processo de transe de monges budistas. Em seu laboratório, no Hospital da Univer­sidade da Pensilvânia, na Fila­délfia, os cientistas puderam analisar os cérebros de dez médiuns brasileiros durante o processo de psicografia.

      Os objetos de estudo não tiveram seus nomes revelados. Eles eram todos registrados na Federação Espírita Brasileira (FEB), que apoiou os cientistas no trabalho que estavam desenvolvendo. Os médiuns, seis mulheres e quatro homens, se voluntariaram para participarem da pesquisa, mas só foram selecionados após um longo processo de triagem. Estavam entre os pré-requisitos em que deveriam se encaixar: não sofrerem problemas de saúde, serem destros, não portarem nenhum transtorno mental (como esquizofrenia, depressão, autismo ou bipolaridade, por exemplo) e não fazerem uso de nenhum medicamento psiquiátrico. Era essencial para os cientistas que metade dos médiuns tivesse várias décadas de experiência com psicografia, enquanto a outra metade tivesse apenas alguns anos de prática de contato com o mundo espiritual.

      O procedimento a que foram submetidos é conhecido como Spect, ou Single Photon Emission Computed Tomogra­phy, na sigla em inglês (ou “Tomografia Computadorizada de Emissão de Fóton Único”, em português). Ele consiste na aplicação de substâncias radioativas na corrente sanguínea, que permitiriam o mapeamento da atividade cerebral dos mé­diuns por meio do fluxo sanguíneo.

      A hipótese dos cientistas, ou seja, o resultado que eles esperavam encontrar com o estudo, era o que qualquer cético poderia intuir sobre o processo psicográfico: que as áreas do cérebro ligadas à criatividade e ao planejamento — as que são comumente usadas durante o processo de desenvolvimento e escrita de um texto — seriam as mais trabalhadas. Essas re­giões, então, receberiam maior fluxo sanguíneo, o que seria evidenciado pelo exame.

     Os resultados, porém, foram surpreendentes: os cérebros dos médiuns estudados, especialmente daqueles mais experientes, apresentaram pouca atividade enquanto elaboravam os textos supostamente influenciados por espíritos. O lóbulo frontal, a parte do cérebro responsável pelo planejamento e pela criatividade, teve atividade muito inferior ao que era esperado para ocorrer em um processo complexo que envolve a concentração, a organização de ideias, a escolha de palavras, a elaboração de um discurso lógico etc.

      De forma contrastante, quando submetidos ao mesmo procedimento fora do transe mediúnico, incitados a escreverem uma redação de autoria própria, os médiuns apresentaram atividade intensa no lóbulo frontal, ainda que os textos desenvolvidos tenham complexidade muito inferior aos produzidos durante o processo psicográfico. A hipótese, sugerida pelos próprios objetos de estudo e endossada por Caixeta, é a de que durante o contato com os espíritos, o cérebro dos médiuns funcionaria como que em uma espécie de piloto automático, anulando a individualidade e permitindo que seus corpos funcionassem como uma ferramenta suscetível à influência dos espíritos para a realização de uma determinada atividade. Nesse processo, o metabolismo dos médiuns estaria desacelerado e suas próprias personalidades e raciocínio não estariam expostos, o contrário do que ocorre durante a execução de uma tarefa consciente e planejada.

     A maior atividade percebida no cérebro dos cinco médiuns menos experientes durante a psicografia, quando comparados àqueles que já possuíam vários anos de prática, pode sugerir que quanto mais experiência a pessoa tiver com a mediunidade, mais aberta ela se torna a receber manifestações espirituais e mais ela se entrega à atividade mediúnica, permitindo a uma suposta entidade atuar sobre ele de forma mais fluida. Quanto menor a experiência do médium, menos propenso ele seria para a recepção de influência espiritual e mais de sua personalidade estaria presente no processo psicográfico.

O resultado obtido com o experimento deixou perplexos os cientistas envolvidos, mas não os médiuns submetidos aos testes. Familia­rizados com o que a literatura espírita diz sobre o assunto, eles já supunham qual seria a conclusão do estudo.

      Apesar de inédita e perfeitamente consistente com os rigores científicos, os estudiosos temiam que a pesquisa não pudesse ser publicada devido a sua natureza voltada para o que é considerado sobrenatural. O motivo da apreensão era relacionado à recepção de pessoas ligadas à comunidade acadêmica, ainda muito preconceituosa com determinados temas. Muitos cientistas que às vezes tem vinculação religiosa — não é porque é cientista que tem de ser ateu — sempre tiveram alguma hesitação de começar a entrar nesse campo por parte da receptividade da comunidade acadêmica. “Nós no início hesitamos de entrar nesse caminho. Tínhamos preocupações como ‘será que vamos conseguir verba para fazer essa pesquisa? Será que vamos conseguir publicar esses dados?’ ”, conta Caixeta.

      A publicação de um estudo em uma revista científica é a validação de que ela foi aceita e reconhecida por seus pares. “Se a pesquisa é publicada no Brasil, ela é reconhecida pela comunidade científica nacional. Se é publicada fora, é reconhecida pela comunidade internacional”, explica. Sem a publicação, todo o esforço e investimento empreendidos para a realização de um estudo seriam em vão. Os temores da equipe de cientistas, contudo, se mostraram injustificados depois que a quarta mais importante revista científica do mundo, a “PLoS One”, reconheceu a qualidade do trabalho realizado e efetuou sua publicação em novembro deste ano sob o título “Neuroimagem durante o estado de transe: uma contribuição ao estudo da dissociação”.

      Caixeta afirma que, nos cinco primeiros dias após a publicação, o estudo foi acessado cerca de 5 mil vezes, o que comprovou o reconhecimento da comunidade internacional. O cientista avalia também que os dados revelam maior interesse e maior receptividade a esse tipo de achado, fato que surpreendeu os autores do projeto.

      As críticas, parte do processo acadêmico, ainda não começaram a chegar, dado o curto tempo decorrido desde a publicação da pesquisa. Caixeta, porém, tem a expectativa de que elas se limitem a pontos referentes à forma como o experimento foi conduzido, como, por exemplo, a utilização de uma amostragem muito pequena, ou talvez algum questionamento sobre o processo de aferência dos dados. “Em ciência você não pode chegar e falar ‘eu não acredito!’. É diferente da religião, onde você pode chegar para um padre e dizer: ‘eu não acredito no que você está falando’. Em ciência você segue um método, todas as informações são relatadas. Então, se houver alguma crítica, ela vai ser voltada para questões metodológicas”, diz.

      A continuidade do estudo está nos planos de Caixeta e de outros cientistas goianos. Em parceria, eles pretendem ampliar a quantidade de objetos de estudo e replicar os procedimentos para verificar se os resultados se repetem. Outras situações mediúnicas também devem ser alvo de análise. Enquanto alguns dizem ter somente a capacidade de reproduzir textualmente as mensagens dos espíritos, outros teriam a habilidade de transmiti-las por meio da própria voz ou da pintura, por exemplo, e esses casos seriam levados em consideração em outras pesquisas.

      Caso os próximos procedimentos apenas confirmem os dados relatados, esse experimento pode ajudar a escancarar as portas para um viés da ciência voltado para o estudo daquilo que tem uma base extramaterial, que possivelmente jamais seria alvo de estudo dentro da ciência materialista. Como frisa Caixeta, o objetivo da pesquisa da qual ele fez parte nunca foi provar a existência (ou a não existência) de Deus, mas sim estudar um fenômeno abundante em culturas de todo o mundo e que tem relevância especialmente em terras brasileiras. Mas, como parte de uma vertente da ciência voltada para o religioso e para o espiritual, o estudo pode ajudar a romper com paradigmas e a estabelecer definitivamente uma tendência voltada para a pesquisa do sobrenatural e do imaterial.

      Caixeta defende que a ciência não se baseie em preconceitos e que os cientistas, em especial os da área médica, não fechem os olhos para novas possibilidades. “Segundo a Organização Mundial da Saúde, nós somos seres físico-psíquico-sócio-espirituais. Então nós temos uma vertente física, um viés psicológico, um lado social e uma dimensão espiritual. Portanto, nós não podemos deixar de contemplar isso”, diz. “Isso é especialmente caro para as ciências médicas porque em Medicina nós nos deparamos com situações em que o médico precisa ter um conhecimento maior nessa área para não se deixar enganar por determinados diagnósticos e também para tratar melhor seu paciente dentro do seu âmbito cultural.”

      Segundo Caixeta, apesar do preconceito ainda entranhado no meio, a ciência hoje segue a tendência de dar cada vez mais relevância ao lado espiritual do ser humano. Essa tendência, diz, é irreversível. “Nós não podemos negar um fenômeno que existe, que está a olhos vistos, que qualquer cientista honesto tem de reconhecer: que nós somos seres espirituais. Isso significa que nós temos aberturas a manifestações, fenômenos e entendimentos que estão além do nosso corpo”, afirma. “Passamos por um momento em que se torna necessário aproximar o método científico dos fenômenos religiosos e espirituais, de toda essa antropologia da religião e da conexão do homem com Deus.”

terça-feira, 1 de abril de 2014

Promoção - Massagem com Ventosas

Chegou a hora da promoção relâmpago. As primeiras 5 pessoas que entrarem em contato pelo telefone ou deixando uma mensagem de interesse aqui na postagem, ganharão um desconto exclusivo de 50% na Massagem com Ventosas. \0/

(75) 3261-3938 / 9146-6737